WALDEMAR GRECCO

Fotografia: Daniel Alcarria 

Entrevista concedida a Severino Correia Dias 
Texto: Prof. William Puntschart 


 Vereador atuante na primeira legislatura, 1955 a 1959, Waldemar Grecco nasceu em 26 de setembro de 1925, em São João da Boa Vista, interior de São Paulo. Mais tarde, ao longo da década de 1940, com sua família passa a residir em Mauá. 


Nessa época, Mauá com cerca de 5.000 habitantes já discutia a importância de sua autonomia político-administrativa, principalmente após a criação, em 1945, da Sociedade Amigos do Distrito de Mauá. 

Antes de ingressar na vida pública, entretanto, Waldemar Grecco atuou como jogador de futebol e empresário. Em seu depoimento destaca entre tantos desafios a obtenção em 1947, da carteira de motorista para dirigir caminhão. Assim poderia concretizar um antigo sonho que significava também a possibilidade de atuar num nicho de mercado, cujos concorrentes, monopolizavam o ramo de transporte em caminhão na época. 

O exame prático para obter a mencionada carteira ocorreu em 1947 na íngreme ladeira da atual Avenida Portugal em Santo André, próximo ao Hospital da Beneficência Portuguesa. Na ocasião dirigiu um caminhão Ford modelo 1928. A partir de então, consegue financiar seu próprio veículo, com o qual pôde fazer carreto entre Mauá á Mooca, transportando em média três mil unidades de pedras por dia. 

Estabelecido profissionalmente, Waldemar casa-se com Palmira Valério Grecco em 16 de abril de 1949. Juntos tiveram três filhos, Cláudio, Claudete e Carlos. Recordar de Dona Palmira, já falecida, desperta grande emoção principalmente ao lembrar-se dos sessenta anos de convívio. 

Já com relação á sua atuação política, Waldemar Grecco observa, inicialmente, que naquela época não havia a organização partidária dos dias atuais, tudo era feito de forma precária. Inclusive o exercício do cargo não era renumerado. De qualquer modo, candidatou-se em 1954, pelo Partido Trabalhista Brasileiro, à vaga de vereador. Recorda-se que as principais lideranças políticas de então eram Getúlio Vargas, Élio Bernardi e Ennio Brancalion. 

Empenhou-se, de fato, na campanha só no dia anterior das eleições na qual foi eleito com 55 votos, dos 994 contabilizados. Atuando como vereador, destaca o seu projeto para a prefeitura construir uma escadaria próxima a Vila Vitória, o segundo bairro mais populoso de então. Concomitantemente, deu prosseguimento às suas tarefas, quer como motorista quer como jogador de futebol. 

Ainda de acordo seu depoimento, retornou às atividades políticas somente em 1962, por ocasião da campanha de seu irmão Edgar Grecco ao cargo de prefeito. Com este objetivo, atuou como jogador de futebol pelo Clube Atlético Floresta, procurando obter dividendos políticos junto ao meio futebolístico. Vale lembrar que o time do Floresta, fundado em 1952 na Vila Vitória, tinha seu próprio campo na área em frente ao atual cemitério da Vila Vitória. 

Na verdade, Waldemar Grecco gosta mesmo é de falar de sua atuação no futebol, os títulos conquistados, as faixas guardadas com carinho, as lembranças de uma época que tanto a carreira política quanto a atividade futebolística eram exercidas de forma muito mais despretensiosa. 

De 1947 a 1948 jogou futebol no Nacional da capital. Foi campeão pelo ABC três vezes seguidas: em 1949 pelo Ribeirão Pires, em 1950 pelo Independente e, em 1951, novamente pelo Ribeirão Pires. Pela taça Cidade de Mauá, promoção de A Gazeta Esportiva, foi campeão duas vezes, defendendo o Industrial: em 1956 e 1957. Era zagueiro central e lateral esquerdo. 

A carreira vitoriosa de Waldemar Grecco defendendo o Nacional e o Ipiranga da capital, além do Industrial de Mauá é destacada por Ademir Médici no livro Industrial de Mauá e os Campeonatos de Futebol do Grande ABC. “Waldemar Grecco foi outro monstro na zaga industrialina. Começou em 1943 no Industrial e ali ficou até 1947. Naquele ano foi para Ribeirão Pires e ali recebeu proposta para se transferir para o Nacional da Primeira Divisão de Profissionais. Treinou no Ipiranga junto com Campos, mas disputou a temporada de 1948 pelo Nacional”, lembra o jornalista. 

Waldemar Grecco retornou em 1949 para o Ribeirão Pires e conquistou o primeiro campeonato invicto. Em 1950 foi campeão, no caso bicampeão invicto pelo Industrial, que levantava a primeira divisão de Santo André. Em 1951, novo título seu tri novamente pelo Ribeirão Pires. Em 1952 veio para o Independente, mas só disputou um amistoso. Por problemas de saúde, Grecco abandonava temporariamente o futebol. 

Em 1953, Grecco jogou pelo Independente e depois fez o nome pelo time que começou o Industrial. Jogava na zaga e na lateral esquerda. .(p.122) 

http://www.camaramaua.sp.gov.br/camara/pgMemoriaLegislativo.aspx
Share on Google Plus

Sobre Alex Shinobi

Esse texto foi trazido até você pela Equipe Mauá Memória a cidade Ontem e Hoje, ajude nosso trabalho divulgando nosso site ou enviando fotos antigas, notícias da cidade e coisas que acontecem no seu bairro entre em contato: mauamemoria@gmail.com