Meu Poema da Praça

Foto da década de 60, Acervo André Paixão


Por Aristides Theodoro

Meu poema da praça
É feito apenas de lembranças
De pântano, riachinho.
Chácara, pássaros.
Mais tarde “pedreiros em construção”,
Cavalos soltos pelas ruas,
Luzes, jardins japoneses,
Sons, fontes luminosa,
Concha acústica, namorados,
Poetas fazendo e dizendo versos,
Rádio-patrulha, policiais mal humorados,
Camelôs, putas, bêbados,
Desocupados e “otas cositas mas”.

Mauá hoje não é a mesma.
A praça também não
Está bem diferente: cheirando a óleo diesel
Suor seco nas camisas azuis dos motoristas
Embora existam árvores novas
Vicejando nos jardins.
Novos prédios, lojas. Shopping suntuoso
Mesmo assim a praça para mim
Não é a mesma. O tempo passou
E levou a minha primeira praça 22 de Novembro.
É isso aí, os velhos vivem de saudades.
Share on Google Plus

Sobre Alex Mauá

Esse texto foi trazido até você pela Equipe Mauá Memória a cidade Ontem e Hoje, ajude nosso trabalho divulgando nosso site ou enviando fotos antigas, notícias da cidade e coisas que acontecem no seu bairro entre em contato: mauamemoria@gmail.com