10 coisas de antigamente que não fazemos mais hoje em dia


Por Alex Mauá

Coisas de antigamente que não se faz mais hoje em dia, reuni aqui dez coisas que fazíamos e hoje deixam saudades, coisas simples que faziam parte do nosso cotidiano e hoje só ficaram na lembrança.

1)Vender rifa de ovo de Páscoa:
Quem lembra daquelas rifinhas de ovos de Páscoa que nossas vizinhas faziam na época da páscoa, lembro que toda a molecada da rua pegava as rifinhas para vender pois sabia que se vendesse todos os números teria direito a seu ovo de Páscoa, pois o prêmio era um ovo de Páscoa para o ganhador e uma para quem vendia a rifa.

2)Trocar garrafa por pintinho
Quem ai não lembra da clássica frase "Trocamos garrafa, litro, garrafão, panela velha por pintinho amarelinho", até meados dos anos 90 a perua que trocava garrafas por pintinhos passava por todos os bairros e todo mundo ia correndo para trocar suas garrafas velhas pelos pintinhos, algumas vezes também tinha maçã do amor para trocar, no quintal de casa tinha meia dúzia de frangos e todos vieram dessas trocas de garrafas por pintinhos.

3)Rabanada no Natal
Lembro que minha Tia sempre fazia Rabanada no Natal e era tradição comer nessa época do ano, tinha até comercial de TV exaltando a Rabanada cuja a receita era muito simples, bem doce e gostava de se comer mesmo fora de época, na hora do café da tarde por exemplo não tinha nada igual com cobertura de Canela e Açúcar.

4)Colecionar Papel de carta
Era moda entre as meninas em meados da década de 1990, lembro que quase todos os Bazares da região vendiam os papéis de carta, que eram de bichinhos, gatinhos, ursos e lembro de ter visto papéis de carta até dos Simpsons para vender, as meninas tinham enormes pastas com centenas de papéis e nunca vi nenhuma usar esses papéis para sua função de origem ou seja para escrever cartinhas, tempo bom que não volta e guardamos as boas lembranças.

5)Vendedor que deixava o leite na porta
Quem ai se lembra do leiteiro que passava de charrete e deixava o leite na porta de nossas casas, todo dia pela manhã ele deixava a garrafa do leite perto da porta ou entregava em mãos para o freguês, depois de algum tempo lembro que a mesma pessoa passou também a vender pão, ou seja ele deixava todo dia nas casas o pão quente e o leite fresco, se não me engano o rapaz que passava aqui no meu bairro (Jardim Zaíra) era do Cerqueira Leite.

6)Tirar foto no burrinho
Quem nunca tirou foto no burrinho pintando que o fotografo insistia em dizer que era uma zebra? aquela foto clássica tirada ali mesmo no meio da rua em cima do burrinho que muitos tem orgulho e outros tem vergonha de mostrar que também fizeram parte dessa tradição.

7)Cantar o hino nacional na escola
Sexta feira era o dia sagrado onde e se hasteava a bandeira e todos os alunos se reuniam no pátio no começo do horário letivo para cantar o hino nacional que algumas vezes era ensaido no começo do ano com as professoras antes das turmas se reunirem para cantar, todos em fila, lembro que a diretora colocava um disco de vinil para tocar o hino que muitas vezes pulava e tinha que colocar de novo e ela também corrigia os alunos que não cantavam o hino direito.


8)Jogar bolinha de Gude
Quem brincava na rua até meados dos anos 90 sabia que no ano tinha a época para tudo, para soltar pipa, rodar pião, para fazer carrinho de rolimã e para jogar bolinha de gude em suas dezenas de modalidades nos terrenos de terra pela cidade, tinha menino que carregava latas e latas de Neston cheios de bolinhas de vidro, outros compravam poucas e já perdiam, lembro que na rua a molecada achava bolinhas rara e leitosas enterradas na terra, aventura digna de arqueólogos mirins, era muito divertido jogar e hoje quase não se vê crianças jogando bolinha de gude pela cidade.


9)Usar Orelhão com ficha
Essa é do tempo que não existia celular e que você ou tinha um vizinho mais abastado que te deixava usar o telefone e cobrava uma grana para isso ou você pegava aquela fila imensa para poder usar o orelhão na rua onde se gastava pouco para comprar uma fichinha e falar por 3 minutos com seus parentes, namorada ou amigos, o único problema do orelhão era quando algum engraçadinho passava doce no fone de ouvir ou quando você estava desesperado querendo usar e alguém tinha arrancado o fone e levado embora :/
*Nos anos 90 existia o Disque Turma da Mônica que você ligava do orelhão e ouvia uma historinha da Turma, tinha outras centenas de disque-alguma-coisa como o disque horóscopo, disque sexo e etc.

10)Jogar Fliperama no bar
A maioria dos bares da cidade além de ser o reduto que quem para para tomar uma cerveja ou beber uma cachaça eram também o reduto da molecada que se reunia para jogar Fliperama e jogos arcades como Street Fighter, Final Fight, Pac Man entre outros, era o point onde a grande diversão eram as máquinas e se fazia de tudo para jogar, até vender garrafas velhas para completar o dinheiro para jogar uma, duas ou três fichas, depois de algum tempo além dos bares também existia a possibilidade de se alugar um vídeo game para jogar hora na locadora mais próxima de sua casa.

Share on Google Plus

Sobre Alex Shinobi

Esse texto foi trazido até você pela Equipe Mauá Memória a cidade Ontem e Hoje, ajude nosso trabalho divulgando nosso site ou enviando fotos antigas, notícias da cidade e coisas que acontecem no seu bairro entre em contato: mauamemoria@gmail.com