Nossas memórias são o que somos, o que nos faz tomar as decisões que tomamos, agir como agimos e amar como amamos. Não seríamos nada sem nossas memórias, mas é possível lembrar de tudo?

A resposta é não, mas podemos tomar medidas para que, quando chegar a hora de olhar para trás, tenhamos tantas memórias quanto possível. Como você faz isso? Muito fácil. Neste post vamos contar como.

Memórias e emoções

A primeira coisa a ter em mente é que a parte mais importante de uma memória é a emoção ou emoções que ela traz. Certamente já aconteceu com você que um certo cheiro evoca um momento específico do passado. Um dia com seus pais no mercado de flores volta à sua memória quando você percebe o cheiro de flores frescas, ou quando um perfume o lembra de uma pessoa muito próxima a você no passado.

Todas as memórias carregam consigo uma ou mais emoções associadas. Aqueles que chegam com emoções mais fortes, medo, nojo, raiva, tristeza, saudade, alegria, etc., são os que mais perduram na nossa memória. São justamente essas emoções que nos levam a aprender com as nossas experiências para, no futuro, sabermos tomar as decisões que nos vão causar um estado emocional mais agradável.


É possível lembrar de tudo?

Lembrar de tudo é impossível, pois nossa memória não funciona como uma câmera de vídeo infinita. Nesse caso, seria muito difícil para nós tomar decisões rapidamente e viveríamos com uma “mochila” emocional muito complexa para ser operada. Nós nos lembramos de muitas coisas, e a maioria delas voltará à memória quando enfrentarmos uma situação concreta. Quando vamos ao cinema e os lugares não estão numerados, procuramos na memória o lugar da sala onde nos sentimos mais confortáveis ​​a ver o filme, mas não nos lembramos de todos os filmes que vimos.

Portanto, nossa memória é seletiva, e o aprendizado que extraímos de nossas memórias pesa mais do que a própria memória. Isso nos faz aprender a diferenciar o que nos faz bem e o que nos faz mal, e a escolher sempre o caminho que nos leva a nos sentirmos melhor. O ruim é que muitas lembranças fantásticas da nossa vida, principalmente da nossa infância, estão se enterrando bem fundo na nossa memória e, com o tempo, temos que discernir se é uma experiência real ou imaginária.


Me ajude eu quero lembrar!

Já ficou claro que não podemos nos lembrar de tudo. Mas há maneiras de fazer com que essas belas memórias de nossa infância e de nossa vida em geral vibrem pelo “grande salão” de nossa memória novamente.

As fotos são nossas melhores amigas, e também para nossos filhos. Se tivermos a sorte de ter pais que gostam de fotografia (como os meus), e se tivermos nos organizado um pouco, é possível que tenhamos algum tesouro inestimável chamado álbum de fotos em uma prateleira.

A maior parte das lembranças que temos da nossa infância vêm de fotografias, e o mesmo acontece com momentos que nos fizeram curtir ao longo da juventude e da vida adulta que, embora percebidos como importantes na época, tendem a ficar borrados. Você se lembra de todos os churrascos com seus amigos?, De todos os exames em que você passou ?, de todos os dias no parque com seus filhos?…


Organizando suas fotos

Tirar fotos é muito importante. E vê-los novamente e novamente nos ajuda a manter nossas memórias frescas. Mas se nossas fotos estão espalhadas em pastas soltas no computador, dificilmente podemos revivê-las sem sentir o suor frio escorrendo pela nossa testa imaginando o dia em que teremos que sentar para organizá-las.

Portanto, organizar nossas memórias é tão importante quanto capturá-las. É um trabalho que é melhor executado lentamente. Se já fizemos uma viagem e temos as fotos com nosso smartphone, o melhor é despejá-las no computador ao chegar em casa e colocar em uma pasta separada as que pertencem à viagem. No dia em que você quiser fazer um álbum ou revivê-los, você sempre saberá onde procurar.

Ter um lugar onde podemos mergulhar no mar da nossa vida e reviver todos os momentos especiais que capturamos com nossa câmera não tem preço. Por isso é importante que tenhamos um sistema para armazenar e organizar nossas memórias.


Fonte: https://www.kuicco.com/blog/en/the-importance-of-memories/

Postar um comentário