INSCREVA-SE NO NOSSO CANAL

 


Lembro do meu primeiro celular em 2003, era um aparelho só pra fazer ligações mesmo, sem redes sociais ou jogos mais elaborados, nada que te prendesse ai na tela dele por mais de 5 minutos, hoje em dia os celulares tem dezenas de funções e a que menos as pessoas usam é a função de fazer ligações.

Hoje as crianças basicamente nascem com o celular na mão e vivem grudadas com ele até a vida adulta e muitas nem brincam mais com carrinhos, bonecas ou jogos de mão por que tem tudo isso ali no mundinho do celular, mas nem sempre foi assim, pois antes da dominação dos celulares nosso mundo era a RUA.

Hoje a coisa mais dificil de se ver na rua são crianças, pode parecer coisa normal devido a violência das ruas e ao trânsito quase infernal que acaba trancando as crianças com seus celulares em casa, mas nem sempre foi assim.

Existiu uma época não muito distante em que as ruas eram mais calmas e os celulares simplesmente ainda não tinha sido inventados e se você queria interagir com alguém tinha que ir para RUA.

Você saia da sua casa e gritava lá na casa do amigo ou tocava a campainha pra chamar ele pra brincar na rua e no ano tinha as "épocas" de cada brincadeira, tinha a época de soltar Pipas que era mais ou menos em julho que era a época das férias escolares, tinha a época de brincar de bolinha de gude, tinha  a época de rodar peão.


Ai a gente ia para aqueles terrenos baldios que sempre tinha na rua jogar bolinha de gude e tinham diversas modalidades de jogos e tinha jogo valendo onde você perdia a bolinha e também jogos que você jogava e não perdia nada e a rua inteira se juntava pra jogar e sempre tinha aquela galera na rua que tinha latas de Neston cheias de bolinhas que tinha ganhado nos jogos.  

Peão também era a diversão do pessoal e pra segurar a corda melhor sempre era usada uma tampinha de garrafa e tinha aqueles desafios que você desenhava um circulo no chão e os dois jogavam seus peões nesse lugar e perdia o peão que saisse desse circulo.

Pipas, que ai nunca perdeu uma pipa, capucheta ou papagaio taiado por alguém? lembro que julho era época das pipas no céu e de barrancos lotados de crianças colorindo o céu com pipas compradas ou feitas em casa artesalmente, caia uma pipa e a molecada corria pra pegar e também aproveitar a linha para soltar outras pipas.

E fazer batata assada na fogueira? quem ai já fez? aquelas batatas que ficavam pretas na brasa e a gente tirava a casca pra comer bem quentinha e tinha gente que tinha batata doce plantada no quintal e assada na brasa ficava uma delicia.


Taco também era uma diversão na rua, correndo para lá e para cá o problema era quando a bolinha caia no meio do mato e tinha que parar o jogo para procurar e era o que mais acontecia nas ruas que a gente morava que era só mato e barro aqui na cidade.

Tinha também o jogo de bafo que era aqueles com figurinhas sejam elas de albuns ou mesmo aquelas que vinham com chiclete ai a gente juntava e jogava com elas, naquelas tardes depois da aula, era muito divertido passar horas e horas jogando na rua.


Nas tardes de domingo quando os primos e amigos estavam em casa a gente pegava aqueles jogos que ficavam no armário pra jogar tipo War, Banco Imobiliário, Batalha Naval e eram horas de diversão presencial em família.

As meninas riscavam o chão com giz branco para brincar de amarelinha, sorte quando achavam um asfalto liso para brincar e era muita gente ali na amarelinha brincando da rua, tinha também as brincadeiras de pular corda e uma das músicas era: "Um homem bateu em minha porta e eu abri, Senhoras e senhores, ponham a mão no chão, Senhoras e senhores, pulem de um pé só, Senhoras e senhores, dêem uma rodadinha e vá pro olho da rua"  era uma época muito boa e a diversão era ali todos juntos na rua brincando, hoje o celular e a violência nas cidades acabaram os aquelas jovens tardes depois da aula.   

Postar um comentário